Follow by Email

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Maratona Internacional de São Paulo terá chegada no Ibirapuera


Em sua 19ª edição, a Maratona Internacional de São Paulo, a maior e melhor prova do gênero no país, segue buscando maior crescimento e cada vez mais o melhor atendimento aos seus participantes. Dessa forma, a disputa mudou sua data em 2013. Anteriormente programada para o dia 28 de abril, com largada na Avenida Jornalista Roberto Marinho e chegada no Parque do Ibirapuera, por conta das obras do Monotrilho e dos grandes eventos que estão por vir , foi transferida para o dia 6 de outubro, com início e término no Obelisco do Ibirapuera.

A alteração, além de proporcionar a melhoria do evento, ainda possibilitará que a Maratona se consolide no terceiro trimestre, que não conflita com a reestruturação dos órgãos públicos competentes, com as obras do monotrilho na Av. Jornalista Roberto Marinho que reduziram a área de infraestrutura da prova, e com os espaços de divulgação de grandes eventos do calendário internacional que acontecem no país como a Meia Maratona de São Paulo, Copa das Confederações, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos.

A mudança contempla novas ações no evento. A primeira delas diz respeito ao percurso, com Largada e Chegada no Ibirapuera, no mesmo ponto, como já aconteceu em 2007 e foi aprovada pelos corredores. Esta mudança acabará com a necessidade de deslocamento dos competidores através das linhas de ônibus. As largadas serão em ondas permitindo que os mais rápidos saiam na frente. As mesmas começarão as 7h40, com a Elite Feminina.

As inscrições já realizadas valerão para a prova de outubro e mais informações poderão ser obtidas pelo Fale Conosco da prova no site oficial do evento, www.maratonadesaopaulo.com.br, onde também poderão ser feitas novas confirmações. As informações sobre o novo traçado e infraestrutura já estão no site e serão ajustadas no decorrer do mês de março.

Ao longo do percurso de 42,2 km, os atletas terão dez pontos com atrações musicais, dois postos de hidratação com isotônicos, dois de distribuição de gel, 18 postos de Água, dois inéditos postos de distribuição de carboidratos naturais ou frutas secas.

Fotos e vídeos gratuitos serão disponibilizados para os atletas inscritos que completarem a prova façam "download" em um ponto de percurso diretamente conectado ao Facebook.

A Feira Esportexpo Edição Maratona de São Paulo acontecerá durante quatro dias com exibição de produtos, palestras e workshops para atletas a acompanhantes. A feira funcionará inclusive no dia da prova, servindo como ponto de encontro e entretenimento para as pessoas prestigiarem o evento e assistirem à prova.

Na parte técnica, a alteração dará ainda mais importância às demais provas do calendário. Isso, porque eventos como o Circuito Corujão, Corrida do Trabalhador, a Meia Maratona das Cataratas, a Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro e o Circuito Ecorrida servirão de seletivas para a Maratona Internacional de São Paulo. Isso será um atrativo extra para os atletas que querem concorrer a vagas de cortesia no pelotão Premium da Maratona.

A prova continuará com grande divulgação, uma vez que conta com a transmissão para todo o país, ao vivo, pela Rede Globo de Televisão. Com isso, a cada edição a presença de corredores de elite é mais forte, sempre tendo o duelo entre brasileiros e estrangeiros como uma das atrações.

Outra atração a diversidade de opções para os participantes. Além dos 42,2 km da maratona, há mais duas corridas de 10 km e 25 km, e a caminhada de 3 km, proporcionando um leque bastante amplo de opções para os interessados.

Todos os campeões da Maratona de São Paulo (Masculino / Feminino)

2012 - Solonei da Silva (BRA),2h12min25s/Rumokol Chepkanan (QUE),2h31min21s
2011 - David Kemboi (QUE), 2h11min53s/ Samira Raif (MAR), 2h36min01
2010 - Stanley Biwott (QUE), 2h11min21s/Marizete Moreira (BRA), 2h39min26s
2009 - Elias Chelimo (QUE), 2h13m59s/ Marizete Moreira (BRA), 2h42m24s
2008 - Claudir Rodrigues (BRA), 2h17m07s/Mª Zeferina Baldaia (BRA), 2h42m20s
2007 - Reuben Chepkwek (QUE), 2h16m05s/ Jacqueline Chebor (QUE), 2h40m12s
2006 - Rotich Solomon (QUE), 2h15m15s/ Margaret Karie (QUE), 2h39m24s
2005 - José Teles (BRA), 2h19m47s/ Márcia Narloch (BRA), 2h40m39s
2004 - Frank Caldeira (BRA), 2h17m30s/ Margareth Karie (QUE), 2h40m10s
2003 - Genilson da Silva (BRA), 2h16m26s/Mª do Carmo Arruda (BRA), 2h39m12s
2002 - Vanderlei de Lima (BRA), 2h11m19s/ Mª Zeferina Baldaia (BRA), 2h36m07s
2001 - Stephen Rugut (QUE),2h14m30s/ Marizete Rezende (BRA), 2h38m57s
2000 - David Ngetich (QUE), 2h15m21s/ Márcia Narloch (BRA), 2h40m15s
1999 - Paul Yego (QUE), 2h15m29s/Márcia Narloch (BRA), 2h37m20s
1998 - Diamantino dos Santos(BRA), 2h16m55s/ Viviany Oliveira (BRA), 2h39m58s
1997 - Kipkemboi Cheruiyot (QUE), 2h17m07s/ Viviany Oliveira (BRA), 2h42m13s
1996 - Chalam El Maali (MAR), 2h15m21s/ Janete Mayal (BRA), 2h41m40s
1995 - Luiz A. dos Santos (BRA), 2h17m11s/Ilyna Nadezhda (RUS), 2h49m33s

Mais informações no site oficial, www.maratonadesaopaulo.com.br.

Fontes: MBraga Comunicação / Yescom - Foto: Sérgio Shibuya / MBraga Comunicação´

http://www.maratona.com/artigos/artigos.php?artigo=6896

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Joalheria do Ibirapuera é assaltada pela 2ª vez


Quatro pessoas roubaram na tarde de segunda-feira (11) a Sayegh Joalheiros, loja especializada no comércio de diamantes do Shopping Ibirapuera, na zona sul. O crime ocorreu por volta das 13h. Os ladrões fizeram três mulheres reféns e depois conseguiram escapar. Ninguém ficou ferido.
Foi a segunda vez que uma loja da rede foi assaltada neste ano. O primeiro roubo ocorreu na unidade do Shopping Morumbi, em 2 de janeiro. Na ocasião, dois dos quatro ladrões que invadiram a joalheria foram presos em um carro quando tentavam fugir. Em 2012, a mesma joalheria do Shopping Ibirapuera havia sido assaltada, também por quatro ladrões que conseguiram escapar.
No crime da última segunda, os quatro bandidos invadiram a loja do Ibirapuera e renderam três funcionárias que trabalhavam no local. Segundo a representante da loja, de 58 anos, que prestou depoimento à polícia, ela estava no fundo do estabelecimento, onde o cofre da joalheria fica isolado da área de vendas por uma porta, quando um dos criminosos bateu na porta segurando duas funcionárias.
O ladrão exigiu que a sala e o cofre fossem abertos. Depois de entrar no local, o homem mandou a vendedora encher um saco que ele trazia no bolso da calça com as joias do cofre. Um outro ladrão entrou na sala para ajudar o comparsa. Funcionários da joalheria não souberam estimar o total do prejuízo.
A funcionária que prestou depoimento à polícia foi levada pelo ladrões arrastada pela blusa. Perto dos quiosques do shopping, a vendedora se jogou no chão e acabou sendo deixada para trás pelos bandidos. Para saírem do shopping, no entanto, eles tomaram como refém uma outra mulher, que estava com a filha. Ela só foi solta na Rua Jurupis, vizinha ao Ibirapuera. Segundo testemunhas, depois que os bandidos foram embora, ela voltou para buscar a filha.
Seguranças
A representante da loja disse que, quando estava no chão, viu outro ladrão arrastando uma segunda funcionária até a porta do shopping. Testemunhas contaram que os seguranças privados assistiram a toda a ação e nada fizeram.
Um segurança de 30 anos prestou depoimento à polícia. Ele confirmou que viu uma movimentação estranha. Segundo afirmou, um homem tentava entrar à força numa área da joalheria restrita a funcionários. Ele disse que acionou o alarme e chamou a polícia. E disse não ter ido ao local do crime porque não estava armado. O jornal O Estado de S. Paulo não conseguiu contato ontem com a Sayegh.
A assessoria de imprensa do Shopping Ibirapuera informou que está ajudando a polícia na apuração do caso e informou que não houve "tumultos nem vítimas". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Fonte: http://www.odiario.com/geral/noticia/724873/joalheria-do-ibirapuera-e-assaltada-pela-2a-vez/

Cambistas e flanelinhas atuam no Ibirapuera; motoristas são multados


Uma série de carros estacionados em lugar proibido foram multados na tarde desta sexta-feira na Avenida Manoel da Nóbrega, em frente ao Ginásio do Ibirapuera. Segundo informações de funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da Guarda Civil Metropolitana que atuavam no local, a maioria dos motoristas se dirigia ao ginásio para assistir ao Brasil Open, estacionando em lugar proibido por orientação de “flanelinhas”.
No início da rodada desta sexta no Ibirapuera, flanelinhas e cambistas eram facilmente identificados em frente ao ginásio. Os primeiros cobravam R$ 30 dos motoristas para indicarem lugares vagos de estacionamento na avenida. Na parte interna da via, no entanto, é proibido estacionar – às 15h20 (de Brasília) desta sexta, 17 veículos enfileirados já haviam sido multados com uma infração média, no valor de R$ 83.
Segundo PM, oficiais podem atuar, mas seriam necessárias materialidade e vítima tanto no caso dos flanelinhas quanto no caso dos cambistas
Foto: Fernando Borges / Terra
Funcionários da Guarda Civil tentavam orientar os motoristas a observar a regulamentação. Eles informaram que a responsabilidade por autuar os flanelinhas é da Polícia Militar e da Polícia Civil. O estacionamento disponível no Ginásio do Ibirapuera é privado e tem cerca de 400 vagas disponíveis ao público por R$ 30 a diária, e todas estavam lotadas no início desta tarde.
A reportagem entrou em contato com o segundo batalhão de choque da Polícia Militar, sediado no Portão 9 do Ibirapuera, que explicou ser responsável pela segurança do evento do lado interior do Ibirapuera. No lado de fora do Conjunto Desportivo Vaz Guimarães, a responsabilidade é do 12º Batalhão. Se solicitado pelo cidadão, os oficiais podem atuar, mas seriam necessárias materialidade e vítima tanto no caso dos flanelinhas quanto no caso dos cambistas. Os oficiais justificam que, em muitos casos, o espectador tem interesse em assistir ao evento e, portanto, não se encaminharia ao distrito policial para dar andamento à ocorrência.
No portão principal do ginásio, cambistas vendiam ingressos para as cadeiras inferiores com preços entre R$ 180 e R$ 200. O preço original é de R$ 150, mas não havia mais entradas disponíveis para esse setor nas bilheterias do Ibirapuera. Para a rodada de sábado, todos os bilhetes estavam esgotados; para domingo, restavam bilhetes apenas das cadeiras superiores.

Fonte: http://esportes.terra.com.br/tenis/atp/cambistas-e-flanelinhas-atuam-no-ibirapuera-motoristas-sao-multados,6baadc9592fdc310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Negra Li apresenta show do CD Tudo de Novo no Auditório Ibirapuera


No estilo da artista, o espetáculo conta com um mix de que investe na mistura de gêneros como Pop, MPB, Soul, Jazz e o Reggae
A cantora e atriz paulistana Negra Li, considerada a musa da black music nacional, faz show no dia 22 de fevereiro, no Auditório Ibirapuera, para apresentar faixas do seu mais recente trabalho solo “Tudo de Novo”.
No estilo da artista, o espetáculo conta com um mix de que investe na mistura de gêneros como Pop, MPB, Soul, Jazz e o Reggae, com composições de diversos autores como Edgar Scandurra, Leoni, Leo Jaime e Sérgio Britto.
Serviços:
Negra Li; Dia 22 de fevereiro, às 21h; Auditório Ibirapuera; Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Portão 2, Parque Ibirapuera, São Paulo; ingressos: R$ 20; informações:  (11) 3629-1017.

Fonte: http://www.panoramabrasil.com.br/diversao-e-arte/negra-li-apresenta-show-do-cd-tudo-de-novo-no-auditorio-ibirapuera-id103132.html

Empurrado pelo Ibirapuera lotado, Soares fatura o tri nas duplas do Brasil Open


Ao lado do austríaco Alexander Peya, o brasileiro levantou a torcida que veio ao Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, e chegou ao seu segundo título no ano
Bruno Soares comemora mais um ponto na partida em que conquistou o título de duplas do Brasil Open
Com o apoio de mais de nove mil pessoas no Ibirapuera, Bruno Soares mexeu com a torcida e conquistou o tricampeonato do Brasil Open. Ao lado do austríaco Alexander Peya, a dupla precisou suar para virar sobre o checo Frantisek Cerman e Michal Martinak por 2 sets a 1, parciais de 6/7, 6/2 e 10 a 7.
Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores
Com o tricampeonato no Brasil Open, Soares chega ao seu segundo título na temporada. Ao lado do inglês Colin Fleming em Auckland, na Nova Zelândia. Em 2011 foram cinco títulos em duplas pela ATP e mais um ao lado da russa Ekaterina Makarova , no Aberto dos EUA.
O tenista mineiro, que reclamou da organização do Brasil Open durante a semana, pelos horários de seus jogos e a ausência na quadra central, pôde desfrutar do apoio da torcida no Ginásio do Ibirapuera.
Veja também: No embalo da torcida, Nadal passa por Alund e encara Nalbandian na final em SP
A decisão de duplas do Brasil Open foi equilibrada desde o início. Mesmo empurrados pelo público que aos poucos tomava as cadeiras do Ibirapuera, Soares e Peya não ameaçaram o saque da dupla adversária, mas também confirmaram os seus serviços e o primeiro set foi decidido no tiebreak.
Assim como o set inteiro, o tiebreak foi bastante disputado, mas Cermak e Mertinak levaram a melhor, após vencer por 7 pontos a 5.
Enquanto o jogo rolava, os torcedores que buscavam o seu lugar no anel inferior ao Ibirapuera, abaixo da área de imprensa, tinham dificuldades para encontrar cadeiras vagas e discutiam com os seguranças.
Leia também: Nadal relata dores no joelho e vê Nalbandian como favorito para a final
Na volta para o segundo set, Bruno Soares trocou a suada camiseta preta por uma amarela, semelhante a do seu parceiro austríaco. Depois de mandar uma bola na rede e desperdiçar uma chance de quebra logo no começo da parcial, o mineiro mostrou irritação e atirou a sua raquete no chão.
Mas se a quebra não veio naquele momento, ela aconteceu no sexto game. O eslovaco Mertinak sentiu a pressão, cometeu uma dupla falta e Soares/Peya abriram 4 a 2, para delírio da torcida que já lotava o Ibirapuera. Ligados na partida, o brasileiro e o austríaco fecharam o set em 6 a 2, levando a decisão de duplas do Brasil Open para o supertiebreak.
A torcida empurrava, gritava e aplaudia a dupla formada pelo brasileiro e austríaco a cada ponto e embalados pelo apoio de mais de 9 mil pessoas, Soares e Peya abriram boa vantagem no supertiebreak. Mesmo levando uma bolada nas ‘partes baixas’, Soares não acusou o golpe e levou o público à apoteose ao fechar a partida e o campeonato após bola na rede de Cermak.

Fonte: http://esporte.ig.com.br/tenis/2013-02-17/empurrado-pelo-ibirapuera-lotado-soares-fatura-o-tri-nas-duplas-do-brasil-open.html